Pesquisa revela que 80,1% das pessoas já boicotaram empresas ou estariam dispostas a fazê-lo

Mais da metade dos entrevistados dizem que deixariam de comprar de uma marca se seus produtos fossem considerados um risco à saúde

Vivemos atualmente em uma poderosa era de ativismo do consumidor, de acordo com uma nova pesquisa da YouGov Surveys. O estudo, realizado em 17 mercados internacionais, constatou que a maioria das pessoas (80,1%) já boicotou ou estaria disposta a boicotar uma empresa. Apenas 12,7% de todos os entrevistados pela plataforma em fevereiro disseram que nunca fizeram ou fariam uma “sabotagem” comercial. Outros 7,2% disseram que não sabiam.

Essa análise, realizada no Reino Unido, Austrália, Canadá, Dinamarca, Singapura, Itália, Espanha, Indonésia, Suécia, Hong Kong, Estados Unidos, França, Alemanha, Emirados Árabes Unidos, México, Índia e Polônia, também mostrou exatamente que tipo de escândalo ou ações motivariam mais pessoas a realizar um boicote: 56,2% dos entrevistados nos 17 mercados observados disseram que deixariam de comprar de uma marca se seus produtos fossem considerados um risco à saúde. Notavelmente, essa também é a situação que levaria mais clientes a boicotar em cada um dos mercados, analisando-os individualmente.

David Eastman, Diretor Geral e Comercial da YouGov na América Latina, avalia que, em geral, em países onde mais pessoas dizem que nunca fariam um boicote, há menos consumidores dispostos a parar de comprar de uma empresa se seus produtos forem prejudiciais. “Mas há exceções, por exemplo, na Espanha, quase um quinto dos consumidores afirma que nunca sabotaria os negócios de uma empresa dessa forma. Ao mesmo tempo, 56,5% dos entrevistados nesse país (um número estatisticamente idêntico à porcentagem global) boicotariam uma empresa com produtos tóxicos”, explica.

O estudo também analisou as medidas que as empresas poderiam tomar para obter o perdão dos consumidores. Mais da metade de todos os entrevistados nos 17 mercados disse que voltaria a comprar os produtos da empresa se a empresa compartilhasse publicamente os resultados de como está lidando com o problema que os levou a parar de comprar da empresa em primeiro lugar. Outros 45,2% disseram que acabariam com a sabotagem comercial se a empresa compartilhasse um plano de como pretende lidar com a situação no futuro. 

Por outro lado, as ações menos eficazes para acabar com um boicote são pedir desculpas (apenas 27,5% dos entrevistados pela Surveys dizem que voltariam a comprar depois disso) e receber algum tipo de “punição” de agentes externos, do governo a organizações não governamentais (20,9%). “Mas mesmo essas ações são mais úteis para a reconciliação com os clientes do que não fazer nada: apenas 3,6% dos consumidores afirmam que, de qualquer forma, voltariam a comprar da empresa. Há também uma pequena fração (menos de 10%) que nunca terminaria seu boicote às empresas, não importa o quanto a marca tente reparar o relacionamento. Tal número tende a ser menor em países como o México e a Índia (que também estão entre os países onde a maioria das pessoas nunca sabotaria comercialmente uma empresa). A França e os Estados Unidos têm as porcentagens mais altas de pessoas que nunca mais comprariam de empresas (14% e 14,3%, respectivamente)”, detalha Eastman.

Escândalos entre os líderes da marca são mais difíceis de serem perdoados

É importante observar ainda que nem todos os erros cometidos pelas empresas que podem levar a um boicote são igualmente fáceis de perdoar. Por exemplo, embora 9,9% de todos os entrevistados da Surveys não voltariam a comprar de uma empresa, a porcentagem é estatisticamente maior quando a sabotagem comercial foi causada por um escândalo entre os líderes da marca (11,4%) ou quando a empresa está relacionada a países que praticam ações repreensíveis (10,7%).

Do outro lado da moeda, é estatisticamente menos provável que as pessoas deixem de boicotar empresas que estejam poluindo o meio ambiente ou que tenham deixado de vender um produto adorado pelo público. Da mesma forma, há certos escândalos que são muito mais fáceis de perdoar sem esforço. Embora apenas 3,6% dos entrevistados em geral parariam de boicotar uma empresa eventualmente, a porcentagem é de 4,1% se o motivo for um aumento repentino de preços.

Se as empresas forem boicotadas porque suas ações afetam negativamente as causas sociais (como a igualdade de gênero) ou porque estão deslocando as empresas locais, é menos provável que o público simplesmente esqueça o problema com o tempo. Entretanto, mesmo nesses casos, as porcentagens ainda são notavelmente baixas. Assim, o estudo da Surveys reafirma que os consumidores estão dispostos a responsabilizar as empresas quando suas ações não correspondem às suas expectativas.

Metodologia

YouGov Surveys fornece resultados rápidos sobre pesquisas de públicos de nicho ou nacionalmente representativos em vários mercados. Os dados se baseiam em pesquisas com adultos de 18 anos ou mais em mais de 17 mercados com tamanhos de amostra entre 500 e 2002 para cada mercado. Todas as pesquisas foram realizadas on-line em fevereiro de 2024. Os dados de cada mercado usam uma amostra nacionalmente representativa, exceto México e Índia, que usam amostras representativas da população urbana, e Indonésia e Hong Kong, que usam amostras representativas da população on-line.

Compartilhe:

Deixe o seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a Newsletter

e receba conteúdos exclusivos para o seu sucesso

Entrevistas Identidades de Sucesso

Edit Template

sobre

Ecossistema de conteúdos e entrevistas exclusivas sobre Carreira . Gestão Empresarial . Liderança . Autoconhecimento . Mentalidade de Sucesso

Acompanhe as nossas redes sociais

assine nossa newsletter

Siga a Letícia nas redes sociais

© 2024 Identidades de Sucesso | Empresa do Grupo Identidade | Todos os Direitos Reservados | Portal desenvolvido por ID Branding & Co.